UMA VIDA SEM PRECONCEITO

Nossa colega Eduarda Nordio Maciel, 19 anos, a Duda, namora há 7 meses o Rafael que é deficiente auditivo. Ela não se importou em aprender libras pela pessoa que ama e até virou  DJ em uma festa de surdos. Nós convocamos 5 pessoas da agência para fazer perguntas e convidamos ela para ensinar algumas expressões pra gente.

Por Larissa Magrisso – Como vocês se conheceram?

Duda – Foi pelo  Facebook. Eu estava solteira e estava ali olhando uns gatinhos e vi que a gente tinha um amigo em comum que era o tatuador. Mandei convite de amizade e ele confirmou e foi assim.

01- Oi

“Oi”

Por Isa Silveira – Como ficou sabendo que ele tinha deficiência ?

Duda –   Eu tava olhando no face, e eu vi que ele estudou no Concórdia que é uma escola especial e eu perguntei se ele era surdo e ele disse que sim. Ele já me perguntou quando a gente ia nos encontrar e eu falei que não sabia libras. Ele falou que oralizava um pouco, porque existem surdos chamados surdos oralizados, que escutam um pouco.

02---tchau “Tchau”

 Por Isa Silveira – Como foi o primeiro encontro?

Duda –   Quando eu descobri que ele era surdo eu comecei a aprender o abecedário por mim mesma e eu sabia fazer meu nome em libras. Quando a gente se encontrou, ele foi lá em casa, minha mãe e minha irmã estavam, foi bem estranho. Como ele é surdo, ele não fala igual a gente. Ele fala estranho como todos os outros, e aí de primeira eu falei “Quê????”.  Quando a gente não entendia o que o outro dizia, eu escrevia no celular e mostrava pra ele. Depois eu aprendi o abecedário e ficou mais fácil pra gente se entender.

04---desculpa

“Desculpa”

Por Larissa Magrisso – O que fez você se apaixonar por ele?

Duda –  O jeito dele, porque a deficiência não diz nada, não tem diferença nenhuma. O que atrapalha é que, às vezes, estamos conversando e o jeito dele conversar é muito diferente das outras pessoas, porque ele não conhece bem as palavras e isso dificulta – principalmente quando estamos no telefone. E o que fez eu me apaixonar é que ele é carinhoso. É o namorado que eu sempre quis.

07---I-L-Y-(eu-te-amo)

“Eu te amo”

Por Isa Silveira- Que momento você sentiu a necessidade de estudar libras?

Duda –   Eu fiz um curso de 5 meses, porque eu conhecia ele e aí eu percebi que na família dele ninguém sabia nada. A mãe dele até sabia um pouco. Quando ele era pequeno, usou aparelho por um tempo e daí o aparelho quebrou. Acho que a partir dos 13 anos ela parou de usar sinais e começou a gritar para ele entender. Daí se ele fala, eu entendo, mas se eu falar, ele não entende porque não é tudo que eles entendem por não ouvirem.

08---eu-te-amo-universal

“Eu te amo Universal”

 Por Lucas Carniel – Como foi aprender Libras?

Duda – Não é fácil. É mais que uma língua, é uma linguagem com mãos e expressões faciais. Tua expressão faz muita diferença. Mas depois que tu começa a aprender, ajudar os outros, ensinar algumas coisas, é gratificante.

13---almoçar

“Almoçar”

Por Laura Borges – Quando tu precisa dizer algo muito muito específico para ele e não consegue expressar na linguagem dele, como faz? Não fica a sensação de que falta dizer algo para ser entendida por completo?

Duda – Sim, acontece isso. Tem muita coisa que ele não entende… mas eu consigo me comunicar com ele. Tem coisa que nós entendemos, que é muito básica, que eles não entendem. Uma vez a gente tava conversando sobre História e eu estava explicando para ele que lá não-sei-onde tinham uns garimpeiros que usavam peneira para pegar os diamantes e ele perguntou: “Peneira?”. Aí eu me levantei e fui na cozinha e mostrei uma peneira para ele e ele entendeu. Outro dia eu saí com ele e mais três amigos surdos. Um deles comprou uma revista de signos e cada um leu o seu signo, e depois de lerem me perguntaram o que significava a palavra “intimidade”. Daí me quebrou! Porque tem muita palavra que eles não entendem. Por exemplo, quando eu estou vendo filme com o Rafael e ele para o filme e pergunta o significado de alguma palavra. Eu tento explicar, aí se eu não sei e eu vou procurar no dicionário e mostro pra ele.

03---por-favor

“Por favor”

 Por Leo Prestes – Todo casal tem apelidos, piadas internas, essas coisas que só fazem sentido pra eles. Como isso funciona em libras?

Duda –  No nosso namoro a gente faz o “amor” (Duda mostra o sinal em libras). E em libras, amor e  amar é o mesmo sinal. Fora isso, quando tu começa a aprender libras, tu é batizada, entra no clube: a gente ganha um apelido, que é um sinal que te representa. O meu sinal é a letra E, de Eduarda, e mais esse sinal ( Duda coloca a mão em posição de garra e balança como se fizesse um ziguezague no ar, ao lado da cabeça)  porque meu cabelo lavado e sem chapinha é assim meio crespo. Já o Rafael é a letra R e esse sinal (Duda cruza os dedos indicador e médio e toca com as pontas nas duas bochechas),  porque quando ele era pequeno, tinha as bochechas rosadas, e foi sua professora que colocou esse apelido. Mas como namorados a gente só tem o “amor”e ele me chama de “vida” (Duda mostra as duas palavras em libras).

06---obrigado

“Obrigado”

Por Lucas Carniel– Qual foi a adaptação mais desafiadora?

Duda –  Foi no clube do surdos, o SSRS (Sociedade Surda do Rio Grande do Sul). Quando eu entrei no clube ninguém falava, somente a secretária que é casada com um surdo. Foi bem difícil porque eu só sabia o abecedário e eu fiquei de canto. Aí eu comecei a atacar as pessoas e fazer em libras “Oi tudo bem?! Posso conversar? Sou ouvinte, a namorada do Rafael”. Começou assim, foi difícil no início poque eu ficava muito sozinha quando a gente saía com os amigos dele. No último churrasco, eu conversei com todo mundo porque agora ficou mais fácil.

12---boa-noite

“Boa noite” 

Por Victor Rodrigues- Como é ser Dj em festa de surdos ?!

Duda – É bem legal. Eu só tava ajudando na festa no clube e eu tinha levado meu pen drive porque eu tenho bastante música eletrônica. Nesse dia, eu estava aprendendo a mexer nos aparelhos com o Rafael, aí o responsável pela festa pediu para eu seguir e eu continuei tocando. Surdo gosta mais de música eletrônica porque o que é importante para eles é sentir aquele “tum, tum”, aquela batida. Já que eles não têm a audição, eles têm a sensibilidade muito maior para a vibração. Aí tem uma mulher que não escuta nada e sempre que toca alguma música ela me pergunta qual o tipo que tá tocando: “Pagode? Sertanejo? Funk?”. Ela fica na dúvida porque pagode não tem vibração nenhuma.

17---porto-alegre

“Porto Alegre”

Por Victor Rodrigues – Como a sociedade vê teu namoro ? Tirando a parte de adaptação, mas a parte de socialização ?

Duda – Ah, parece que somos duas aberrações! Por exemplo, no ônibus, geralmente nós sentamos nos assentos que são um de frente pro outro. No início, eu lembro que eu falava ao mesmo tempo que usava libras, e depois eu parei de oralizar. Chegou a um ponto que eu sempre percebia que as pessoas olhavam… Uma vez tinha umas gurias que olhavam pra nós e se olhavam com estranhamento.

18---são-paulo

“São Paulo”

 Por Isa Silveira – Para quem não sabe nada de Libras, como a gente deve se portar com um deficiente auditivo?

Duda – Supondo que venha um surdo aqui na empresa, e eu esteja de intérprete. Se eu chegar e começar a fazer a interpretação, vocês não podem fazer a pergunta pra mim, mas pra pessoa com deficiência, mesmo que ele não escute nada. Tu tá falando com ele e não comigo. E mais uma dica: nunca chamá-los de “mudinho”, porque eles não são mudos, mas sim deficientes auditivos

16---w3

“W3″


This entry was posted in w3haus. Bookmark the permalink.

Comments are closed.