Diário do Proxxima 3 – Como é que é?

Duas coisas me chamaram a atenção no segundo dia do Proxxima: uma foi o painel sobre blogs, com o Edney do Interney.net e mais um bocado de figurões da blogosfera (ugh, odeio essa palavra) brasileira. A outra foi a palestra de Richard Laermer sobre Punk Marketing.

Boa parte do debate dos blogueiros foi sobre fazer ou não posts pagos (ou seja, falando sobre determinado produto depois de receber dinheiro da empresa). Alguns deles – como o Cardoso do MeioBit – acham que tudo bem, desde que se deixe bem claro que é pago, como naqueles INFORMES PUBLICITÁRIOS que aparecem no jornal.

Me pergunto se isso não seria a transformação definitiva dos blogs no contrário do que eles deveriam ser: mídia produzida por alguém que está ali porque gosta de dar opinião, e não porque quer viver daquilo. Blogueiro pago não acaba se tornando tão oficial quanto os caras do Estadão? Será que, se mais e mais posts pagos aparecerem nos grandes blogs, os leitores não vão migrar para os menores como migram de canal na hora do intervalo?

O Edney disse, no meio da palestra, que os blogs não devem ser considerados fanzines online. Olha, como leitor de blogs, acho que, quanto mais espírito de fanzine (basicamente: um veículo feito basicamente da vontade de produzir de seus editores, e nada mais, desafiando a lógica de que não dá pra fazer nada bom sem verba), melhor o blog.

Assim como o conceito de blog, o conceito de Punk parece ter mudado bastante de uns tempos para cá. Richard Laermer deu sua palestra sobre Punk Marketing vestido de blazer bege e camisa pra dentro, e usou um Powerpoint cheio de degradês para provar seu ponto.

O tema da palestra? Consumidor no poder, como manter o foco é importante, a ineficácia de certas pesquisas, etc, etc. E alguns exemplos interessantes de como isso se aplica mundo afora. Mas, àquela altura, eu já tava mergulhado em pensamentos sobre como os conceitos mudam rápido no mundo. Não é à toa que o evento se chama Proxxima.

dsc00161.JPG

This entry was posted in w3haus. Bookmark the permalink.

3 Responses to Diário do Proxxima 3 – Como é que é?

  1. Edney Souza says:

    Vontade de produzir e nada mais matou muito fanzine antigamente, os que tinham algo além da vontade, como bom conteúdo cresceram e viraram algo mais. Blogs feitos apenas de boa vontade são passatempos.

    Não disse que blogs não devem possuir a paixão pela escrita, todo blog bom que conheço possui isso, mas reduzir blog a fanzine é o mesmo erro de publicitários que reduzem internet a jornal na web, tv na web, rádio ma web. Internet é interface, internet é interação, muita gente não entendeu isso ainda.

  2. Eu me enquadro no grupo que escreve blog por que gosta. Antes de querer ganhar dinheiro com post, adsense, etc, eu faço meu blog por que considero ele como meu cartão de visita na hora de procurar um emprego. Muito melhor do que dizer o que eu fiz ao longo da minha faculdade, é mostrar meu blog e a pessoa ver o que eu produzi. E acho que se você é blogueiro e quer aceitar um post pago, INFORME ao seu leitor. Alias, até por que o leitor sabe quando é post pago, e se não for avisado sobre, o blog perde credibilidade.

    Abraço ai pessoal, se eu eu soubesse mexer nesses programas tudo certo que tentaria um estágio ai :)

  3. Leo says:

    Não é que todo blog deva ser um fanzine na web, e nem que a internet se resuma a isso ou aquilo. A internet está aí para que as pessoas façam o que quiserem dela.

    Mas, como eu disse, acho que os leitores que buscam um blog vão acabar migrando para os blogs com menor intervenção comercial, porque é exatamente disso que o público está fugindo nos outros meios.

    E talvez esses blogs que estão crescendo e virando algo mais virem algo que não seja blog. O que não é nem bom ou ruim, só uma mutação que acontece há anos no meio do entretenimento – e que acontece mais rápido ainda na web.

    É mais ou menos como aquela velha discussão sobre as bandas independentes que assinam com uma grande gravadora mas continuam sendo chamadas de “indie”.

    Abraço – ah, e se tu não tiveres nada contra blogs que realmente parecem zines, visita o meu: http://www.fiambres.blogspot.com